Procure no 40graus

Concursos devem abrir mais de 20 mil vagas neste semestre

Geral

Concursos devem abrir mais de 20 mil vagas neste semestre

Compartilhar

Continua depois da Publicidade

Cinco grandes concursos prometem abrir mais de 20 mil vagas para o serviço público no segundo semestre: Polícia Rodoviária Federal, Instituto do Seguro Social (INSS), Receita Federal, Ministério do Trabalho e Ministério da Justiça.

É o que aponta levantamento feito pelo Complexo de Ensino Renato Saraiva (CERS), a pedido do R7.

Apesar de 2019 ser o primeiro ano de atuação do novo governo federal – quando normalmente há contenção dos concursos –, o quadro para o segundo semestre é bastante promissor, segundo Renato Saraiva, fundador do CERS.

“Todo início de governo federal há uma retração porque o governante que chega quer tomar partido do que está acontecendo antes de iniciar os processos seletivos. Neste ano, com a reforma da Previdência e muitos servidores se aposentando, o governo não teve como adiar a realização das provas”, diz Renato Saraiva, fundador do CERS.

De acordo com ele, a Polícia Rodoviária Federal estuda realizar um novo concurso ainda este ano, e a expectativa é de que as oportunidades sejam para a carreira de policial rodoviário.

O cargo exige nível superior e tem inicial de R$ 9 mil. “Temos um concurso em andamento, mas ele não supre o déficit de profissionais na corporação.”

Outra aposta de Saraiva é a prova da Receita Federal do Brasil que, segundo ele, conta com um déficit de mais de 21 mil servidores.

O órgão já pediu autorização para a realização de um concurso com 5.000 vagas, com cargo inicial que tem remuneração de até R$ 12 mil.

Ministério do Trabalho e da Justiça também estão com solicitação de concurso protocoladas por causa de déficit de servidores em ambas as pastas, de acordo com o especialista.

Por último, ele lembra que o superintendente do INSS no Piauí, Ney Ferraz, já deu entrevista confirmando a autorização para um concurso com mais de 17 mil vagas.

Segundo Saraiva, o edital será publicado no segundo semestre e o salário inicial será de até R$ 12,6 mil.

Gabriel Henrique Pinto, diretor e professor da Central de Concursos, destaca que é sabido que 50% dos servidores do INSS estão em condições de se aposentar.

“Grande parte dos servidores públicos está aguardando a reforma da Previdência para ver se vai entrar com o pedido de aposentadoria ou não. Provavelmente haverá uma debandada geral de servidores e o poder público precisará repor. Sei que o governo está preocupado em conter gastos, mas é impossível não fazer concursos para suprir esse déficit. ”

Polícia Civil e Militar devem abrir 10 mil vagas em SP

Pinto diz que vários concursos de prefeituras e estados já estão autorizados e devem publicar seus editais a qualquer momento.

Em São Paulo, por exemplo, ele destaca os das polícias Civil e Militar que juntos abrirão mais de10 mil vagas, professor, coordenador pedagógico, auxiliar de promotoria, Detran e Tribunal de Contas do Município.

“A maioria já tem autorização para sua realização e alguns estão aguardando o despacho. ”

As inscrições para o concurso da PM de SP estão previstas para serem abertas na próxima quinta-feira (15) e seguirem até o dia 25 de setembro. Serão 2.700 para soldado da instituição. Poderão se candidatar homens e mulheres de 17 a 30 anos. O salário será de R$ 3.164,58.

A inscrição deverá ser feita no site da Vunesp. A taxa será de R$ 50. As avaliações começarão no dia 24 de novembro. A taxa de inscrição será de R$ 50. 

Decreto afeta apenas provas do Executivo Federal

O decreto nº 9.739/2019, publicado pelo presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, que amplia as exigências para os órgãos do governo pedirem a abertura de novos concursos públicos, não deve afetar o volume de provas que serão promovidas em 2019. 

Segundo Thallios Moraes, coordenador das carreiras de tribunais do Alfa Com, a nova legislação contempla apenas o âmbito federal, ou seja, não atinge a execução de concursos nas esferas do legislativo, judiciário, estadual e municipal.

Moraes ressalta que nesse novo governo, a área de segurança pública ganhou destaque nas provas.

“Foi uma política de campanha do Bolsonaro, aparelhar melhor a segurança pública. O governo está vendo a necessidade que os órgãos ligados à área apresentam com o déficit enorme de servidores. Os concursos devem se intensificar. ”

Preparação deve ser específica para cada concurso

Especialistas ouvidos pelo R7 são unânimes ao dizer que o candidato deve escolher qual concurso deseja concorrer e se preparar sob medida para ele.

“O conteúdo das provas varia muito conforme o edital. Às vezes é possível se preparar para dois concursos ao mesmo tempo, mas não recomendamos. O ideal é estudar para apenas um”, diz Pinto.

Para Saraiva a diferença do “concurseiro amador” e “concurseiro profissional” é justamente esta. O primeiro sai atirando para tudo quanto é lado, estuda para vários concursos de várias áreas ao mesmo tempo, e o segundo se dedica a um exclusivamente.

Segundo ele, antes de qualquer decisão, é importante escolher uma área de atuação. “Quer ser policial, trabalhar em um tribunal ou ser fiscal? Decida e escolha uma área de atuação. É muito difícil atingir objetivo atirando para todos os lados.”

Outra dica do especialista é que o candidato nunca pare de estudar até conquistar o cargo desejado.

“O ideal é que ele acabe de prestar um concurso e já vá estudando para outro. Não dá para esperar o edital sair para começar a estudar porque ele é divulgado, normalmente, 90 dias antes da prova. É pouco tempo para o preparo. ”

Let’s block ads! (Why?)

Source: R7.com


Publicidade
Tags:

Your email address will not be published. Required fields are marked *

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com