Notícia

Polícia Federal apura elo entre bunker de Geddel e desvios na Caixa

Bunker tinha R$ 51 milhões

Bunker tinha R$ 51 milhões
Divulgação/Polícia Federal
A Polícia Federal investiga, no âmbito da Operação Tesouro Perdido, <strong><a href="https://noticias.r7.com/brasil/pf-conta-r-51-milhoes-retirados-de-bunker-de-geddel-em-salvador-06092017">o elo entre o bunker dos R$ 51 milhões atribuídos aos irmãos Lúcio e Geddel Vieira Lima </a></strong>e supostos esquemas de corrupção na Caixa Econômica Federal. Os investigadores apreenderam atas da instituição na casa da mãe do ex-ministro, de acordo com relatório a que o Estado teve acesso.


O documento mostra que a Caixa liberou R$ 5,8 bilhões em créditos a empresas investigadas. Do total, R$ 4,4 bilhões foram destinados a empresas da holding J&amp;F. A mãe do ex-ministro, Marluce Quadros Vieira Lima, também é uma das denunciadas na investigação.


A denúncia foi feita em dezembro de 2017 pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, no âmbito da Tesouro Perdido. Geddel o deputado federal Lúcio Vieira Lima e o empresário Luiz Fernando Machado Costa Filho são acusados de associação criminosa e lavagem de dinheiro. Deles, a Procuradoria cobra R$ 51 milhões. A PF ainda investiga a origem do dinheiro. Um dos caminhos apontados pelos investigadores é o doleiro Lúcio Funaro que revelou ter levado malas de dinheiro ao emedebista em voos a Salvador, que totalizaram R$ 20 milhões.


D<strong><a href="https://noticias.r7.com/brasil/mpf-pede-7-anos-de-prisao-para-ex-ministro-geddel-vieira-lima-09022018">e acordo com as investigações</a></strong>, Funaro reconheceu, entre os R$ 51 milhões, maços de dinheiro de um banco ligado à J&amp;F. "Lúcio Funaro informou que os valores envoltos em ligas, com um pedaço de papel onde havia impresso o valor constante do maço de dinheiro, era exatamente como retirava o dinheiro dos seus doleiros e repassava para Geddel", afirmou a PF no relatório.


Funaro reconheceu ainda ter operado propinas a emedebistas relativas a negócios da Caixa Econômica Federal. Para a PF, Geddel agia na instituição financeira "para beneficiar empresas com liberações de créditos dentro de sua área de alçada e fornecia informações privilegiadas para os outros membros da organização criminosa que integrava".


<strong>Atas</strong>


Para a PF, as atas da Caixa apreendidas na casa da mãe de Geddel apresentam "informações relevantes à investigação" sobre o bunker em Salvador.


O relatório, assinado pelo agente Arnold Mascarenhas, destaca que foi feita uma análise sobre os documentos que levou em consideração investigações anteriores contra o emedebista. "Apesar de ocupar o cargo de vice-presidente de Pessoas Jurídicas da CEF entre abril de 2011 e agosto de 2013, o ex-ministro catalogou também as atas em que foram aprovadas operações com as empresas investigadas nos anos que sucederam a sua gestão", concluiu.


Em uma das pastas encontradas, há a anotação: "Para a defesa". Os agentes dizem entender que, apesar de encontrada na casa de Marluce, é "nítido" que os documentos são de Geddel. A PF destaca ainda que "dentre empréstimos, repactuações, e substituição de garantias, o valor global dos valores constantes nas atas encontradas" soma o montante de R$ 28,7 bilhões.


<strong>Beneficiada</strong>


O relatório identifica que a maior beneficiada entre as empresas encontradas nas atas apreendidas foi a empresa J&amp;F Investimentos. "Lembrando que este foi tão somente o valor aprovado no período em que Geddel Vieira Lima ocupava o cargo de vice-presidente".


Em nota, a Caixa Econômica informou que está em "contato permanente com as autoridades, prestando irrestrita colaboração com os trabalhos". Procurado, o advogado da família Vieira Lima, Gamil Föppel, não se manifestou. A J&amp;F, através de sua assessoria, informou que vai se manifestar. 

fonte: R7